18- CIÊNCIA, CULTURA, ARTE E LITERATURA / INTELECTUAIS

EM ACTUALIZAÇÃO


Fernando Alvarenga, “A Ideologia Neo-Realista na Página “Arte” do Diário A Tarde em 1945”, 0 Diário, 13/12/1981.

Fernando Alvarenga, Afluentes Teórico-Estéticos do Neo-Realismo Visual Português, Afrontamento, Porto, 1989.

Luís Crespo de Andrade, Sol Nascente. Da Cultura Republicana e Anarquista ao Neo-Realismo, Porto, Campo das Letras, 2007.

Batalha Pelo Conteúdo. Exposição Documental Movimento Neo-Realista Potuguês, Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo, 2007.

Breve Memorial da Sociedade Portuguesa de Escritores (SPE) e Associaçao Portuguesa de Escritores (APE) no X Aniversário da APE, APE, Mem Martins, 1983.

Casimiro de Brito, Prática da Escrita em Tempo de Revolução, Lisboa Editorial Caminho, 1977

Heidrun Bruckner, “Os Fundamentos Materiais e Intelectuais do Neo-Realismo – III”, Vértice, 398-399, Julho-Agosto de 1977

José Luis Cardoso (Organização), Contribuições para a História do Pensamento Económico em Portugal . Comunicações Apresentadas no Seminário sobre História do Pensamento Económico em Portugal Organizado em Outubro de 1987 pelo CESIP, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1988

Luís Adriano Carlos (Introdução e índice) , Árvore Folhas de Poesia Edição Fac-similada , Porto, Campo das Letras, 2003.

[Reedição de uma importante revista literária que se publicou de 1951 a 1953, e que foi depois proibida pela PIDE. Os anos da sua publicação são os mais duros das polémicas literárias e políticas entre escritores portugueses da oposição.]

Manuel de Almeida Carvalho, “Para a História do Neo-Realismo em Portugal”, Jornal de Letras e Artes, 17 de Julho de 1963.

Orlando de Carvalho, Escritos. Páginas de Intervenção I . Notas e nótulas de Literatura e Arte (1946 – 1998), Coimbra, Livraria Almedina,1998.

Morais e Castro, “Teatro – um espartilho chamado censura” , O Militante, Nº 241 – Julho / Agosto – 1999.

Centro Nacional de Cultura. 60 Anos de Uma Vida Cheia, Lisboa, Casa das Letras – CNC, 2008.

Amílcar Coelho, Desafio e Refutação, Horizonte, Lisboa, 1990.

Nelly Novaes Coelho,, “50 anos de Neo-Realismo literário em Portugal (do humanismo dramático ao experimentalismo polivalente)”, em Singularidades de uma Cultura Plural, XIII Encontro de Profesoores Universitários Brasileiros de Literatura portuguesa, Rio de Janeiro, Universidade Federal, 1990.Cristino Cortes

Cristino Cortes, Neruda, Cem Anos Depois. Reflexos na Poesia Portuguesa, Lisboa, Universitária Editora, 2004.

Gabriel Jorge Andrade Costa, Da Pintura Portuguesa Neo-Realista (Relatório) , Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 1991 (polic.)

Maria Manuel Gouveia Delille, “Bertold Brecht em Portugal antes do 25 de Abril de 1974 : Um capítulo da história da resistência ao salazarismo”, Dedalus 1, Dezembro 1991

A. Dinis, “A componente marxista na vida socio-políítica portuguesa (1933-1983)”, Revista Portuguesa de Filosofia, T.XL, fasc. 1-2, Janelro-Junho de 1984

Vitor Vladimiro Ferreira, “1946-1956 – 0 Fascismo Contestado por Artistas Neo-Realistas”, História, 29, Março de 1981

José Augusto França, “Neo-realismo”, em Mário Tavares Chicó / José Augusto França / Armando Vieira Santos, (dir. ) iDicionário de Pintura Universal – Pintura Portuguesa, Lisboa, Editorial Estúdios Cor, 1973.

Alberto Franco, A Planície. Uma Voz na Década do Silêncio, Porto, Campo das Letras – Museu Nacional da Imprensa, 2008.

Rui Mário Gonçalves, “Neo-Realismo”, História da Arte em Portugal – De 1945 à actualidade, Lisboa, Publicações Alfa, 1986

Manuel Gusmão, “Os Intelectuais e o Partido”, Avante!,17/6/1982

Maria Otília Pereira Lage, Da disjunção da ‘polémica’ à ‘complementaridade’ – Ciência e Sociedade (Portugal anos 1930 -1940). Comunicação apresentada ao Colóquio comemorativo dos 20 anos da Revista Crítica de Ciências Sociais., Coimbra, 1999

Maria Otília Pereira Lage, A relação Ciência – Sociedade em ‘entrelinhas’ (Portugal, 1945-1960)

José Jorge Letria,”Biblioteca Cosmos : uma ilha de claridade na escuridão do fascismo”, O Diário, 29/11/1981

José Jorge Letria, A canção política em Portugal, Porto, Edição A Opinião, 1977; 2ª edição, Lisboa, Ulmeiro, 1999

Isabel Pires de Lima, (Coord,), “Neo –Realismo”, Vértice, 75, Dez. 1996

[Sessão testemunhal com Alexandre Pinheiro Torres, Rui Feijó, Eduardo Lourenço, Arquimedes Silva Santos, Urbano Tavares Rodrigues, Eugénio Lisboa, Fernando Venâncio, José Carlos de Vasconcelos, José Manuel Mendes.]

Eduardo Lourenço, “Do Comunismo (Português) como Cultura”, Nova Renascença, 45-47, 1992

João Madeira, Os Engenheiros de Almas . O Partido Comunista e os Intelectuais (dos Anos Trinta a Inicios de Sessenta), Lisboa, Editorial Estampa, 1996

João Manuel Martins Madeira, Os “Engenheiros de Almas” o Partido Comunista e os intelectuais (dos anos trinta a inícios de sessenta) , Tese depositada na Fundação Mário Soares

Alfredo Margarido,“A Origem Social dos Escritores Neo-Realistas”, Diário Popular Suplemento Letras e Artes, 1/3/1979

Alexandre Martins, Heróis do Mar. Die Rezeption nationaler Identitätsdiskurse in der modernen portugiesischen Populärmusik von 1960 bis 1990, 2005

Manuel Cadafaz de Matos, “As resistências à historiografia marxista (Entrevista com Jorge Borges de Macedo”, Jornal de Letras, 16/6/1992

José Manuel Mendes, Por Uma Literatura de Combate, Bertrand, Amadora, 1975

José Viale Moutinho, O nosso amargo cancioneiro. Edição Livraria Paisagem, Porto, 1972; 2ª edição: 1973

José Viale Moutinho, Cancioneiro de Abril, Edição Ulmeiro, Lisboa,1999

(Museu do Neo-realismo), A Imprensa Periódica na Génese do Movimento Neo-Realista 1933-1945, Vila Franca de Xira , Museu do Neo-Realismo, 1996.

(Museu do Neo-realismo), Uma Arte do Povo pelo Povo e para o Povo. Neo-Realismo e Artes Plásticas, Vila Franca de Xira, 2007.

Joaquim Namorado, “Sobre a Projecção em Portugal da Obra de Romain Rolland”,Vértice, 276, 1966

“O Neo-realismo Literário em Portugal” , Vértice, 21, Dezembro 1989

Mário Neves, “PEN Club Português, urna História com 40 Anos”, Jornal de Letras, 11 de Malo de 1987.

Nova Síntese. Textos e Contextos do Neo-Realismo, 1, 2006.

João Arsénio Nunes, “0 Marxismo e os Intelectuais Portugueses”, Vértice, 24, Março de 1990

Nuno San-Payo, Galeria de Exposições da Biblioteca Municipal de Vila Franca de Xira, 2004

Antonio Luis Peralta (entrevista de), “Joaquim Namorado: “Só a Ortodoxia é um Aventura”“, 0 Jornal, 4 de Fevereiro de 1993

João Pinharanda, “Exprimir a “Realidade Viva”“, Público (Magazine) de 3/3/1991

Antonio Pedro Pita, “Bento de Jesus Caraça e o Problema da Cultura”, Vértice, 412-414, 1978

António Pedro Pita, “Alexandre Pinheiro Torres: 0 Neo-Realismo Real no Horizonte do Neo-Realismo Ideal”, Vértice, 38, 1978

António Pedro Pita, “A Imprensa Coirnbrã na Génese do Neo-Realismo”, Vértice, 426-27 (1979); 428-29 (1980); 430-31 (1980); 440-41 (1981)

António Pedro Pita, Neo-Realismo, Coirnbra, 1983

Antonio Pedro Pita, “Duas Faces da Razão (Nota sobre a Polémica entre António Sérgio e Jofre Amaral Nogueira), Revista de História das Ideias, 5(1), 1983

António Pedro Pita, Uma Estética de Inteligibilidade, Coirnbra Editora, Coimbra, 1985

Antonio Pedro Pita, A Recepção do Marxismo pelos Intelectuais Portugueses, Coimbra, Oficina do Centro de Estudos Sociais, n.° 12, Juiho de 1989

António Pedro Pita, “Conflito e unidade do neo-realismo português (a “”polémica interna do neo-realismo”” e a difusão do marxismo em Portugal)” , Vértice. 21 Dezembro 1989

António Pedro Pita, “Para uma história do Neo-Realismo português”, Introdução a Alves Redol e o Grupo Neo-Realista de Vila-Franca, de Garcez da Silva, Lisboa, Caminho, 1990

Antonio Pedro Pita, Prefácio a Joaquim Namorado: Uma Poética da Cultura, Lisboa, Caminho, 1994

António Pedro Pita, “Na formação do neo-realismo. Recepção portuguesa do marxismo francês”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

António Pedro Pita “Neorealismo”, em Luis Gavilanes / António Apolinário Lourenço (dir.), Historia de la literatura portuguesa, , Editorial Catedra, Madrid, 2000

António Pedro Pita, Conflito e unidade no neo-realismo português, Campo das Letras, Porto, 2002.

Carlos Porto, O TEP e o Teatro em Portugal. Histórias e Imagens, Porto, Fundação Engenheiro António de Almeida, 1997.

“Quarenta anos perseguido (e proibido) o esperanto volta a Portugal”, Diário de Lisboa, 14/7/1976

Luís Miguel Queirós, “O neo-realismo revisitado”, Público – Suplemento P2, 10 de Fevereiro de 2012.

Rui Ramos, Os Intelectuais e o Estado Novo

Viviane Ramond, A Revista Vértice e o Neo-Realismo Português, Coimbra, Angelus Novus, 2008.

Eduardo M. Raposo, Canto de intervenção, Lisboa, Museu da República e Resistência, 2000 (2ª ediçã: Eduardo M. Raposo, Canto de Intervenção 1960-1974, Público, 2005 )

Eduardo M. Raposo, Cantores de Abril Entrevistas a cantores e outros protagonistas do ‘canto de intervenção’, Lisboa, Edições Colibri, 2000 (2ª edição: Eduardo M. Raposo, Canto de Intervenção 1960-1974, Público, 2005 )

Carlos Reis, O Discurso Ideológico do Neo-Realismo Português, Coimbra, Livraria Almedina, 1983

Carlos Reis, Textos Teóricos do Neo-Realismo Português, Lisboa, Seara Nova-Editorial Comunicação, 1981

Adelino Rodrigues, “Ferreira de Castro. Os cem anos do escritor emigrante”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Urbano Tavares Rodrigues, “Ferreira de Castro, o realismo social e a dignidade humana”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

José Rogeiro, Neo-Realistas de Vila Franca de Xira. Lugares da Memória, Lisboa, Roma Editora, 2006

Mário Sacramento, Fernando Namora, Lisboa, Arcadia, 1967.

Paulo Jorge Marques da Silva, Fernando Namora por entre os dedos da pide – A repressão e os escritores no Estado Novo, Coimbra, Editorial Minerva,  2009.

Raquel Henriques da Silva, “Exposições de Artes Plásticas”, em Fernando Rosas / J.M. Brandão de Brito, Dicionário de História do Estado Novo, Venda Nova, Bertrand Editora, 1996

Viriato Teles, Música Popular Portuguesa: Uma Bibliografia. Bibliografia Geral da MPP

Alexandre Pinheiro Torres, 0 Movimento Neo-Realista em Portugal na sua Primeira Fase, Lisboa, Instituto de Cultura Portuguesa, 1977

Alexandre Pinheiro Torres, O Neo-Realismo Literário Português, Lisboa, Moraes Editores. 1977

Um Tempo e um Lugar. Dos Anos Quarenta aos Anos Sessenta. Dez Exposições Gerais de Artes Plásticas, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira – Museu do Neo-Realismo, 2005

António Ventura, “As ideias política e a intervenção cívica de José Régio” Revista de História das Ideias, V. 16, 1994

António Ventura, “O marxismo em Portugal no século XX”.em (dir. Pedro Calafate), História do Pensamento Filosófico Português , vol. V, O século XX (Tomo 2), Lisboa, Caminho, 2000

António Ventura, José Régio e a Política, Lisboa, Livros Horizonte, 2003

“Vértice – Uma fortaleza antifascista com 40 anos de vida”, O Diário 25/2/1983

Duarte Vidal, O Processo das Três Marias. Lisboa, Futura. 1974

Alberto Vilaça, Resistências Culturais e Políticas nos Primórdios do Salazarismo, Porto. Campo das Letras, 2003.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: