3.2. BIOGRAFIAS D-G

EM ACTUALIZAÇÃO
______________________________________________________________

HUMBERTO DELGADO

António Simões de Abreu, A raiva de Salazar contra a unidade democrática representada por Humberto Delgado e outros episódios por mim vividos em 32 anos de luta antifascista, Lisboa, Edições Sociais, 1975

António Abreu, “Humberto Delgado e as eleições presidenciais de 1958”, O Militante, 236, Setembro / Outubro, 1998

Nair Alexandra, As Eleições de 1958 e a Imprensa Portuguesa, Lisboa, Biblioteca-Museu República e Resistência, 1998

Jorge F. Alves, O Furacão «Delgado» – e a Ressaca Eleitoral de 1958 no Porto, Porto, Centro Leonardo Coimbra – Faculdade de Letras da UP, 1998.

Artur Andrade, “Tinha que se meter com os touros porque senão não era toureiro…”, Jornal de Notícias, 27/9/1988

[Entrevista sobre Humberto Delgado.]

João Freira Antunes, “O efeito Delgado em Espanha (1). Poderes fácticos na campanha: o GOL, a CIA, a Coca-Cola”, O Independente, 30/11/2005.

Emílio Atienza Rivero, Emilio-Herrera Y Humberto Delgado – Ideales de Libertad en Tiempos de Oscuridad,Granada, Ayuntamiento de Granada, 1993

O Berço da Memória, Torres Novas, Câmara Municipal de Torres Novas, 1996

Arajaryr Campos, Uma Brasileira Contra Salazar, Lisboa, Livros Horizonte, 2006

[Evocação da secretária e companheira de Humberto Delgado.]

Catálogo da Exposição – 30 Anos da Morte de Humberto Delgado, Biblioteca-Museu da República e da Resistência

Humberto Delgado. Memórias, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1991

Humberto Delgado, Memórias de Humberto Delgado, (2ª edição) Lisboa, Dom Quixote, 2009.

Humberto Delgado, A Tirania Portuguesa, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1995

Iva Delgado, O General, S.l., Círculo de Leitores, 1985

Iva Delgado, “O Brasil e a saga de Humberto Delgado”, em Oswaldo Coggiola (Org.), Espanha e Portugal. O fim das ditaduras , São Paulo, FFLCH História USP, 1995

Iva Delgado(coord.), Impunidad y Derecho a la Memoria – De Pinochet a Timor, Madrid, Ediciones Sequitur, 2000

[Edição portuguesa: De Pinochet a Timor Lorosae Impunidade e Direito à Memória, Lisboa, FHD/Cosmos, 2000.]

Iva Delgado / Carlos Pacheco / Telmo Faria (coord.), Humberto Delgado: as eleições de 58, S.l. , Vega , [1998]

[Contém separata com o discurso de Humberto Delgado em Chaves, 22 de Maio de 1958.]

Victor Dimas, Humberto Delgado: o homem e três épocas, Lisboa, Expresso, 1977

João Alves Falcato, “ A Seara Nova, e a luta da Oposição democrática 1957-1958. O acordo Arlindo Vicente Humberto Delgado”, Seara Nova, 1891, Primavera 2005

Emb. Carlos Fernandes, Recordando. O caso Delgado e outros casos, Lisboa, Universitária Editora, 2002

Manuel Garcia / Lourdes Maurício, O Caso Delgado: autópsia da “Operação Outono” , Lisboa, Jornal Expresso, 1977

Manuel Geraldo, Memória de um processo – A segunda morte do General Delgado, Lisboa, Edições Caso, 1982.

Teresa Henriques /Miguel Nunes Ramalho, As Eleições de 1958. Humberto Delgado na Campanha do Norte (Chaves, Vila Real, Lamego, Castro Daire e Viseu), Lisboa, Prefácio, 2008.

Humberto Delgado (1906-1965) – Memória,Lisboa, Panteão Nacional – IPPC, 1990

Humberto Delgado e as eleições de 1958, Lisboa, Comissão Nacional do 40º Ano das Eleições de 1958, 1998

“Humberto Delgado e as Eleições de 1958″, números especiais de Nova Renascença, 1997-8

Linda Kundrátová, Os contactos da oposição portuguesa antisalazarista com a Checoslováquia entre 1933–1974. Contribuição para o estudo das relações luso-checas.

Michel Levine / Daniel Mayer(Pref.), Affaires Non Classées: enquêtes et dossiers de la Ligue des Droits de l’Homme , (Paris), Fayard, 1973

Álvaro Lins, Missão em Portugal , Lisboa, Centro do Livro Brasileiro,1974

António Melo, “O “General Coca-Cola” foi obra da PIDE”, Público, 21/5/1998

António Melo, “Delgado refugiou-se há 40 anos na Embaixada do Brasil”, Publico , 12/1/1999.

Patrícia McGowan Pinheiro, Misérias do Exílio: os últimos meses de Humberto Delgado , Lisboa, Contra Regra, 1998.

Patrícia McGowan Pinheiro, Misérias do Exílio: os últimos meses de Humberto Delgado, edição electrónica.

Juan Carlos Jiménez Redondo, El Caso Humberto Delgado: sumario del processo penal español , Mérida, Junta de Extremadura – Gabinete de Iniciativas Transfronterizas; Editora Regional de extremadura, 2001

Juan Carlos Jiménez Redondo, El Otro Caso Humberto Delgado: archivos policiales y de información ,Mérida Junta de Extremadura, 2003

Mariano Robles Romero Robledo / José António Novais, Humberto Delgado: assassinato de um herói, s.l., 1974.

Frederico Delgado Rosa, Humberto Delgado. Biografia do General Sem Medo, Lisboa, Esfera dos Livros, 2008.

Paula Cristina Ucha, Inventário do Espólio Humberto Delgado, Lisboa Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1998.

_________________________________________________________________

AUGUSTO COSTA DIAS

Augusto da Costa Dias, Literatura e Luta de Classes , S.l., Estampa, 1975

_________________________________________________________________

JOSÉ DIAS

José Dias, Memórias do Cidadão José Dias, Porto, Afrontamento, 2008.

_________________________________________________________________

JOSÉ PEDRO DIAS JÚNIOR

José Pedro Dias Júnior, Do Monte à Liberdade. O Testemunho de Uma Vida, Alcochete Câmara Municipal de Alcochete, 2000

_________________________________________________________________

MARIA LUISA COSTA DIAS

Maria Luisa Costa Dias,Crianças Emergem da Sombra . Contas da Clandestinidade,Lisboa, Edições Avante!, 1982.

_______________________________________________________________

VÍTOR DIAS

Vitor Dias, “Recordações das “eleições” de 1973″ , O Tempo das Cerejas

Recordações das “eleições” de 1973 ( 1 ) Apresentação, 29-09-2008

Recordações das “eleições” de 1973 (2) Na boca do lobo, 30-09-2008

Recordações das “eleições” de 1973 (3) Sintra – o primeiro embate, 01-10-2008

Recordações das “eleições” de 1973 (4) A sessão das Belas-Artes, 04-10-2008

Recordações das “eleições” de 1973 ( 5 ) O cartaz absolutamente proibido, 09-10-2008

Recordações das “eleições” de 1973 ( 6 ) O país era (e é) pequeno,
17-10-2008

Recordações das “eleições” de 1973 ( 7 ) A inesquecível atitude do Prof. Henrique de Barros,  27-10-2008

Recordações das “eleições” de 1973 ( 8 e final) ) Os números da fraude e uma breve conclusão, 28-10-2008

_________________________________________________________________

ALBERTINA DIOGO

São José Almeida, “Libertado pela PIDE para Morrer “, Público, 6 de Março de 2004

[Depoimento de Albertina Diogo sobre a morte de Guilherme da Costa Carvalho.]

São José Almeida, “PCP, 83 Anos – Albertina Diogo “, Público, 6 e 7 de Março de 2004

[Depoimento autobiográfico.]

_________________________________________________________________

MÁRIO DIONÍSIO

Biblioteca e Museu Republica e Resistencia, “Não Há Morte Nem Príncipio” . A Propósito da Vida e Obra de Mário Dionisio , Lisboa, Biblioteca e Museu Republica e Resistência 1996.

Casa da Achada – Centro Mário Dionísio

Mário Dionísio, “Discurso”, Vértice, 244-245, 1964.

Mário Dionísio, “Neo-Realismo (Depoimento)”, Vértice, 365, Junho-Julho de 1975.

Mário Dionísio, “Para a História da Resistência Portuguesa”, Diário de Notícias, Março de 1975.

Mário Dionísio, “Evocaçäo de Bento Caraça”, Vértice, 412-413, Setembro de 1978.

Mário Dionísio, “Na Homenagem a Soeiro Pereira Gomes”, Diário de Lisboa, 26 de Dezembro de 1979.

Mário Dionísio, “Carlos Oliveira / Contextos Esquecidos”, Jornal de Letras, 7 de Juiho de 1981.

Mário Dionísio, “Homenagem a Joaquim Namorado”, Diário de Lisboa, 31 de Janeiro de 1983.

Mário Dionísio, “Sete Recordações (Homenagem a José Gomes Ferreira)”, Vértice, 473-475, 1986.

Mário Dionísio, “Memória do Joaquim”, Jornal de Letras , 5 de Janeiro de 1987.

Mário Dionísio, Autobiografia, 0 Jornal, Lisboa, 1987.

Mário Dionísio, O Dia Cinzento e outros Contos, Mem Martins, Publicações Europa-America, 1989.

Mário Dionísio, O Dia Cinzento. Antologia, Lisboa, Europa – América, 2000.

Mário Dionísio, Uma Vida, Casa da Achada

Augusto M. Seabra, “Mario Dionísio: “Fui Sempre Anti-Stalinista” (entrevista), Expresso, 24 de Abril de 1982.

José Carlos Vasconcelos, “Mário Dionísio. Memória da Terceira Idade”(entrevista ), Jornal de Letras, 25 de Maio de 1982.

José Carlos Vasconcelos, “Memória de 60”, Vértice, 2, Maio de 1988.

_________________________________________________________________

ADALBERTO DOMINGOS

Luis Martins, “O grande lutador”, Terras da Beira, 25/9/1997.

[Recordações de Adalberto Domingos, membro do PCP ligado a Mário Canotilho]

_________________________________________________________________

MANUEL DOMINGUES

Joel Castanheira, Num Pinhal de Belas Apareceu Assassinado um Homem Desconhecido , Lisboa, Perspectivas e Realidades, 1984.

Noé Rodrigues, “A história que o PC não conta. Um “Processo de Moscovo” realizado em Portugal. O crime de Belas”, Diabo, 1/5/1984.

_________________________________________________________________

CIPRIANO DOURADO

José Augusto França, “Dourado, Cipriano” em Mário Tavares Chicó / José Augusto França / Armando Vieira Santos, (dir. ) Dicionário de Pintura Universal – Pintura Portuguesa, Lisboa, Editorial Estúdios Cor, 1973.

_________________________________________________________________

CLAÚDIO D’ ESPINAY

Fernando Rosas, “Claúdio d’ Éspinay”, Estudos sobre o Comunismo,

_________________________________________________________________

CATARINA EUFÉMIA

50 Anos depois da morte/Catarina de Baleizão, Edição da Cooperativa Cultural Alentejana, 2004.

Manuel de Melo Garrido, A Morte de Catarina Eufémia. A Grande Dúvida de Um Grande Drama, Beja, Associação de Municípios do Distrito, 1974.

[Paula Godinho], “Catarina Eufémia – uma invenção da esquerda?”, Política Operária, 99, Março – Abril, 2005.

João Madeira, “A morte e o mito nos campos do Sul”, História, 66, Maio 2004.

[Sobre Catarina Eufémia.]

João Arsénio Nunes, “Catarina Eufémia” , em Maria Filomena Mónica / António Barreto (dir.), Dicionário de História de Portugal (Suplemento) , Porto, Livraria Figueirinhas, 1999/2000.

Henriques Pinheiro, A morte de Catarina. Memória viva de uma tragédia”, Diário do Alentejo, 18/11/2005.

[Depoimento do médico que fez a autópsia a Catarina Eufémia. ]

Natália Santos, Catarina Eufémia: (Des)Montagem de um Mito, Coimbra, 2005.

João Tordo, Anatomia dos Mártires, Dom Quixote, 2011.

____________________________________________________________________

SEVERIANO FALCÃO

“Foi há 28 anos. A fuga de Peniche vista pelos que ficaram”, Avante!, 14/1/1988

(José Pacheco Pereira), “Notas Biográficas – Severiano Pedro Falcão”, Estudos sobre o Comunismo, 8/5/2004

_________________________________________________________________

JOÃO FALCATO

João Falcato, “A Seara Nova e a Luta da Oposição Democrática 1957-1958: o acordo Arlindo Vicente- Humberto Delgado”, Seara Nova, 1691 Primavera 2005

__________________________________________________________________

JOÃO MANUEL DA COSTA FEIJÃO

[José Pacheco Pereira], “João Manuel da Costa Feijão”, Estudos sobre o Comunismo, 6/10/2003

_________________________________________________________________

RAMON DE LA FERIA

António Valdemar, “Ramon de la Feria Paladino da República “, República, 10, Dezembro 2000

_________________________________________________________________

FERNANDO FERNANDES

________________________________________________________________

M. FERNANDES

Varela Gomes, Guerra de Espanha – Achegas ao Redor da Participação Portuguesa, Lisboa, Cadernos Versus, 1987

_________________________________________________________________

VASCO DA GAMA FERNANDES

Vasco da Gama Fernandes,Europa, Leiria, 1953

Vasco da Gama Fernandes, Democracia. Génese, Evolução, Presença, 1957

Vasco da Gama Fernandes, Presença – II, 1969

Vasco da Gama Fernandes, Do III Congresso de Aveiro à última campanha eleitoral, Lisboa, Editorial República, 1974

Vasco da Gama Fernandes, Depoimento inacabado, Lisboa, Edições Europa-América, 1975

Vasco da Gama Fernandes, “Revolta Académica de 1930″, Diário de Lisboa, 1982

Vasco da Gama Fernandes, Trabalhos parlamentares, Lisboa, Europa-América, [s.d.]

_________________________________________________________________

ARMÉNIO FERREIRA

Casa de Angola, Arménio Ferreira o Indefectível Nacionalista

_________________________________________________________________

BELMIRO FERREIRA

“Belmiro Ferreira”, artbarreiro.com

(José Pacheco Pereira), Notas Biográficas – Belmiro Ferreira, Estudos sobre o Comunismo, 1/5/2004

_________________________________________________________________

EUGÉNIO FERREIRA

__________________________________________________________________

FRANCISCO FERREIRA

Francisco Ferreira, “Um alcaçarense na União Soviética”, Portugal Socialista, n.° 48, de 2 de Juiho de 1975, 59, de 3 de Setembro do 1975, 69, de 5 de Novembro do 1975, 76, de 30 de Dezembro de 1975, 77, de 7 de Janeiro de 1976, 80, do 28 de Janeiro de 1976, e 81, do 4 de Fevereiro de 1976.

[Memórias da vida de F. Ferreira na URSS desde 1939, com elementos para a história da organizaçao do PCP na URSS e sobre as reiações dos exilados comunistas com o movimento comunista internacional. Dados sobre Pavel.]

Francisco Ferreira, “Após Agosto de 1939″, Portugal Socialista, 56 1975

Francisco Ferreira, “A Checoslováquia e os inimigos da democracia”, Portugal Socialista, 57, 1975

Francisco Ferreira, 26 Anos na União Soviética – Notas de Exílio do “Chico da CUF”, Afrodite, Lisboa, 1975

Francisco Ferreira / Maria Llistó Martinez, A URSS vista pela sua própria imprensa, Lisboa, Perspectivas e Realidades, 1976

Francisco Ferreira, “Pavel encoontra-se em Lisboa”, Jornal Novo, 1976

Francisco Ferreira, “Carta aberta ao Serviço de Extinção da PIDE /DGS”, Tempo, 29/6/1978

[Dados autobiográficos]

Francisco Ferreira, Entrevista a 0 Tempo do 12/11/1979

Francisco Ferreira, Entrevista a 0 Tempo de 21/2/1980

Francisco Ferreira, “Um idealista esquecido”, O Tempo, 1982

António Maria Marques, «Quem foi Francisco Ferreira? Chico da CUF», Jornal do Barreiro, 27/02/1998

António Moreira, “Entrevista com Francisco Augusto Ferreira (Chico da CUF)”, Estudos sobre o Cornunismo, 2, Janeiro-Abril de 1984

_________________________________________________________________

GEORGETTE FERREIRA

Georgette Ferreira, Entrevista a Juventude, 11, Abril 1981

[Sobre a história da FJCP.]

Linda Kundrátová, Os contactos da oposição portuguesa antisalazarista com a Checoslováquia entre 1933–1974. Contribuição para o estudo das relações luso-checas.

_________________________________________________________________

JOSÉ GOMES FERREIRA

José Gomes Ferreira, Revolução necessária, Lisboa, Diabril, 1975

José Gomes Ferreira, Tu, Liberdade! Antologia de Ficções em Prosa, Lisboa, Editorial Caminho, 1977

José Gomes Ferreira, Dias Comuns I. Passos Efémeros de 1 de Outubro de 1965 a 31 de Dezembro de 1966, Lisboa, Dom Quixote, 1990

José Gomes Ferreira, Dias Comuns II. A Idade do Malogro. Lisboa, 1 de Janeiro de 1967. Lisboa, 31 de Maio de 1967, Lisboa, Dom Quixote, 1998

José Gomes Ferreira, Dias Comuns III. Ponte Inquieta. Lisboa, 1 de Junho de 1967. Lisboa, 31 de Dezembro de 1967, Lisboa, Dom Quixote, 1999

José Gomes Ferreira, Dias Comuns IV. Laboratório de Cinzas. Diário, Lisboa, Dom Quixote, 2004

José Gomes Ferreira

José Gomes Ferreira, Operário das Palavras. Catálogo da Exposição Comemorativa do Centenário do Nascimento, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 2001.

_________________________________________________________________

RAÚL HESTNES FERREIRA

Manuel Graça Dias, “As coisas não seguras”, Expresso, 4/3/2006.

_________________________________________________________________

SOFIA FERREIRA

Adelino Cunha, “Testemunha conta última prisão de Álvaro Cunhal”, Jornal de Notícias, 25/3/2009.

 

________________________________________________________________

LÚCIO FETEIRA

_________________________________________________________________

EURICO FIGUEIREDO

Eurico Figueiredo, Guerrilheiro Sentimental. Estórias de Exílio, Porto, Campo das Letras, 2008.

_________________________________________________________________

MANUEL FIRMO

Manuel Firmo, Nas trevas da longa noite. Da Guerra Civil de Espanha ao Campo do Tarrafal, Lisboa, Publicações Europa-América, 1978

Carlos S. Pais / Miguel de Sousa, “Faleceu Manuel Firmo (1909-2005) . Figura de barreirense ímpar”, Jornal do Barreiro, 03-02-2005

_________________________________________________________________

JÚLIO FOGAÇA

Noé Rodrigues, “Expulso por homossexualidade dirigente que os amigos de Cunhal dizem ter sido um simples “activista”, O Diabo, 15/5/1984.

António Ventura, “O 18 de Janeiro de 1934 (excerto de uma entrevista com Julio Fogaça )”, Estudos sobre o Comunismo, 2, Janeiro – Abril 1984.

_________________________________________________________________

LÍLIA DA FONSECA

[Hortense de Almeida], “Lília da Fonseca – Depoimento escrito por Hortense de Almeida , irmã de Lília”, Faces de Eva, 9, 2003

_________________________________________________________________

MANUEL DA FONSECA

Mário Dionísio, “Manuel da Fonseca”, em Manuel da Fonseca, Poemas Completos, Lisboa, Portugália Editora, 1969.

Osvaldo Silvestre, “Fonseca, Manuel Dias da” em Fernando Rosas e J.M. Brandão de Britoi (dir.), Dicionário de História do Estado Novo , Venda Nova, Bertrand Editora, 1996.

_________________________________________________________________

OLÍVIO FRANÇA

D. Raby, Entrevista com Dr. Olívio França: 6/6/78 , Transcriçåo da entrev. recolhida para elaboraçåo da obra: Fascism and Resistance in Portugal

_________________________________________________________________

JOSÉ FRANCISCO

José Francisco, “O 18 de Janeiro de 1934″, A Batalha, 7, 1976

José Francisco / A. Tomás de Aquino / Artur Modesto, “Ainda o 18 de Janeiro – Resposta à Seara Nova”, A Batalha, 9, 1975

José Francisco, “A luta dos trabalhadores pela conquista do horário do trabalho”, Voz Anarquista, 57, Outubro 1981

José Francisco Episódios da minha vida familiar e de militante confederal, Lisboa, Edições Sementeira, 1982

José Francisco, Páginas do Historial Cegetista, Lisboa, Editora Sementeira, 1983

José Francisco, ” Para que conste: Federaçâo Maximalista Portuguesa ( Embriâo do Partido Comunista Português) “. A Batalha, 110 Junho-Julho 1985

José Francisco, Ultimas Páginas 1986/1987, Lisboa, Editora Sementeira, 1987

António Maria Marques, «A prisão de José Francisco na CP», Jornal do Barreiro, 05/09/1997

_________________________________________________________________

BERNARD FREUND / “RENÉ”

Linda Kundrátová, Os contactos da oposição portuguesa antisalazarista com a Checoslováquia entre 1933–1974. Contribuição para o estudo das relações luso-checas.

João Arsénio Nunes “O Camarada René e a Juventude Comunista no princípio dos anos 30”, Uma vida em História. Estudos em homenagem a António Borges Coelho, Lisboa, 2001

_________________________________________________________________

HENRIQUE GALVÃO

Henrique Galvão, Crónica de horas vazias, Lisboa Livraria Popular de Francisco Franco.

Henrique Galvão, Diário de Peniche, Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco.

Henrique Galvão, Grades serradas, Lisboa, Livaria Popular de Francisco Franco, 1974

Henrique Galvão, O Assalto ao Santa Maria, Lisboa, Delfos, 1974

Henrique Galvão, Da minha luta contra o Salazarismo e o Comunismo em Portugal, Lisboa, Arcádia, 1976

José Pacheco Pereira, “Cunhal e Galvão entre assassinos, ladrões e violadores”, Público, 14/6/2005.

_________________________________________________________________

JULIETA GANDRA

São José Almeida, 1917-2007. Julieta Gandra. A transgressora, feminista e anticolonialista”, Público, 22/10/2007.

[Ver rectificação ao artigo de sua sobrinha Ana Rita Gandra Gonçalves, no Público, 25/10/2007.]

_________________________________________________________________

ANTÓNIO GERVÁSIO

António Gervásio / Francisco Miguel, Pela reforma Agrária; A Terra a quem a trabalha, Lisboa, Edições Avante!, 1975

António Gervásio, O P.C.P e a Resistência contra a ditadura fascista no concelho de Montemor-o-Novo, Montemor-o-Novo, 1994

António Gervásio, Lutas de Massas em Abril e Maio de 1962 no Sul do País, Lisboa, Edições Avante!, 1996

João Madeira / Luis Farinha, “Golo!”. Entrevista com Antonio Gervásio”, História, 28, Setembro 2000

_________________________________________________________________

JOSÉ MAGALHÃES GODINHO

José de Magalhåes Godinho, Interpretaçåo do artigo 149 do Código Penal: requerimento de providência de “Habeas Corpus” dirigido ao Conselheiro Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, s.l., s.d.

[Sobre o julgamento de Mário Soares em 1967.]

José Magalhães Godinho, Falar claro, Lisboa, Autor, 1969

José Magalhães Godinho, 3 Comunicações (apresentadas ao I Congresso Nacional de Advogados de Novembro de 1972), Lisboa, Autor, 1973

José Magalhães Godinho, Viseu: retrospectiva da Oposição, República, 1973

José Magalhães Godinho, Carta aberta ao Presidente do Conselho. Análise de um regime, Editorial República, 1973

AJosé Magalhães Godinho, no de elições: legislação eleitoral em vigor com comentários críticas instruções e modelos, s.l., República, 1973

José Magalhães Godinho, Direitos liberdades e garantias individuais, Lisboa, Seara Nova, 1973

José Magalhåes Godinho, Causas que foram casos, Lisboa, Seara Nova, 1974

José Magalhães Godinho, Quando falar e escrever era perigoso (antes do 25 de Abril), Lisboa, 1979

José Magalhães Godinho, “A fraca memória (?) de Marcelo Caetano”,O Jornal, 274, 1980

José Magalhães Godinho, “A actuação de Melo Castro”, O Jornal, 283, 1980

José Magalhães Godinho, “Relembrar Bento Caraça”, Portugal Socialista, 164, Junho 1982

José Magalhães Godinho, “A greve de 1931 e a Revolução da Madeira”, Diário de Lisboa, 1982

José Magalhães Godinho,” A propósito de um artigo”, Diário de Lisboa, 1982

José Magalhães Godinho, “O assalto em 1930 ao Ministério da Instrução”, Diário de Lisboa,1982

José Magalhães Godinho, Falas e Escritos Políticos, Lisboa, Moraes Editores, 1983

José Maga1hães Godinho, “As tentativas de Reagrupamento nos anos 40″, Diário de Noticias, 1/3/1984

José Maga1hães Godinho, “Juntar todos os de boa memória”, Diário de Noticias, 29/3/1984

José Magalhães Godinho, “Como nasceu o MUD em 1945”, em João Medina (Org.), História Contemporânea de Portugal / Diatdura: O Estado Novo de 29 de Maio ao Movimento dos Capitães, T. II, Lisboa, Amigos do Livro Editores, 1985

José Magalhães Godinho, Pela liberdade, Lisboa, Alfa, 1990

José Magalhães Godinho, Pedaços de uma Vida, Lisboa, Editora Pegaso, 1992

D. Raby, Entrevista com o dr. José Magalhåes Godinho: 26 de Fevereiro de 1977, Transcriçåo da entrev. recolhida para elaboraçåo da obra: Fascism and Resistance in Portugal

__________________________________________________________

ANTÓNIO FERREIRA GOMES (BISPO DO PORTO)

Carlos A. Moreira Azevedo, Dom António Ferreira Gomes (1906-1989). Bispo do Porto ao Serviço da Liberdade, Porto, Asa, 2006.

Arnaldo Pinho, O Essencial sobre D. António Ferreira Gomes, Lisboa, ICCM, 2004

________________________________________________________________

DOMINGOS DA COSTA GOMES

Domingos da Costa Gomes, “Geração que deu brado”, Jornal de Chaves, 25/11/19…

Domingos da Costa Gomes , “Criação e actuação de um “aparelho” de fronteira” , Militante, 243, Nov.-Dez. 1999

Domingos da Costa Gomes, “No Aniversário do Avante! – Um episódio simples”, Avante!, 8/3/2001

Domingos da Costa Gomes, Regionalização de Trás-os-Montes, Porto, Campo das Letras, 2001

(José Pacheco Pereira) , “Notas biográficas – Domingos da Costa Gomes“, Estudos sobre o Comunismo, 2/10/2003

_________________________________________________________________

JOÃO VARELA GOMES

João Varela Gomes, Tempo de resistência, Lisboa, Ler Editora, 1980.

_________________________________________________________________

JOAQUIM GOMES

Gustavo Carneiro, «70 anos do 18 de Janeiro de 1934 na Marinha GRande – O dia em que o povo tomou o poder», Avante!, 15/1/2004

[Com depoimento de Joaquim Gomes.]

Joaquim Gomes, “Escreveu-se uma luta página brilhante da luta contra o fascismo e o capitalismo”, O Século, 18 1974

Joaquim Gomes, “O VI Congresso do PCP e as Tarefas de organização – entrevista com o camarada Joaquim Gomes do CC”, Avante!, 18/10/1974

Joaquim Gomes, Estórias e emoções de uma vida de luta, Lisboa, Edições Avante!, 2001

_________________________________________________________________

MARIA EUGÉNIA VARELA GOMES

Maria Manuela Cruzeiro, Maria Eugénia Varela Gomes Contra Ventos e Marés, Porto, Companhia das Letras, 2003

_________________________________________________________________

RUY LUIS GOMES

Natália Bebiano, “Ruy Luís Gomes Vida e Obra”, Vértice, 127, Março – Abril 2006.

Fernando Cardoso, “Ruy LuIs Gomes – Um matemático português no Recife”, Afinidades 1, II série Janeiro-Junho 2005.

Centro de Matemática da Universidade do Porto, Inventário do Material Recolhido para a Exposição Documental de Homenagem ao Professor Ruy Luís Gomes, 5 de Dezembro de 2002.

Comissão do Livro Negro sobre o Regime Fascista, Eleições Presidenciais de 1951 e a Correspondência entre Oliveira Salazar e Ceaveiro Lopes, Lisboa, 1983.

Alfredo Pereira Gomes, “Rui Luis Gomes – In Memoriam”, Portugaliae Mathematica, Vol. 42, 1983-1984.

Rui Luís Gomes, Problemas de Investigação e História , Porto, Inova, 197…

Ruy Luís Gomes , Entrevista com os Srs. Profs. José Morgado e Rui Luiz Gomes: Porto 30-6-77 , Transcrição da entrev. recolhida por D. Raby para elaboração da obra: Fascism and Resistance in Portugal, 1977.

Ruy Luís Gomes, A Relatividade. Origem, evolução e tendências actuais / Teoria da Relatividade Restrita, Centro de Matemática da Universiadde do Porto, 2005.

[Edição comemorativa do centenário com um prefácio de Jorge Rezende sobre o papel de Ruy Luís Gomes no Movimento Matemático.]

Ruy Luís Gomes, “Tentativas feitas nos anos 40 para criar no Porto uma Escola de Matemática”, Afinidades 1, II série Janeiro-Junho 2005.

Virgínia Moura / José Morgado, “Na Morte do Prof. Ruy Luis Gomes. Abril Vencerá”, Avante!, 8/11/1994; 15/11/1994.

Movimento Matemático 1937-1947, Lisboa, Museu da República e da Resistência, s.d.

João da Providência, “Ruy Luis Gomes, episódios da sua vida“, Gazeta de Física, vol. 28, fasc. 4, 2005.

Natália Bebiano da Providência, Ruy Luís Gomes. Uma Fotobiografia, Porto, Universidade do porto-Gradiva, 2005.

Jorge Resende, “Ruy Luís Gomes Cientista e revolucionário”, O Militante, 279, Nov.-Dez. 1975.

Rosa Maria Ribeiro, Maria Elisa Mirra, Maria de Fatima Ribeiro, Maria do Céu Silva, “Algumas histórias da história do Centro de Estudos Matemáticos do Porto”, Afinidades 1, II série Janeiro-Junho 2005.

Alberto Vilaça, “Ruy Luís Gomes Resistente antifascista”, O Militante, 278, Set-Out. 2005.

_________________________________________________________________

SOEIRO PEREIRA GOMES

Lívia Apa, “A recepção da obra de Soeiro Pereira Gomes”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Alexandre Cabral, “0 significado de Esteiros em 1941”, O Diário, 12/4/1981

Alexandre Cabral, “0 mais belo romance de Soeiro Pereira Gomes”, O Diário, 17/5/1981

Piero Ceccuci, “O jogo das pistas. A construção do sentido no discurso textual dos Outros Contos de Soeiro Pereira Gomes”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Augusto Costa Dias, Literatura e Luta de Classe: Soeiro Pereira Gomes, Editorial Estampa, 1975

LuIs Augusto Costa Dias, “Breve introduçao a uma leitura da obra de Soeiro Pereira Gomes” em Soeiro Pereira Gomes, Obra Completa, Lisboa, Editorial Caminho, 1992

Mário Dionísio, “Na Homenagem a Soeiro Pereira Gomes”, Diário de Lisboa, 26 de Dezembro de 1979

Severiano Falcão e outros, “Soeiro Pereira Gornes: A “Engrenagem” da Esperança”, O Diário, 12/4/1981

Joaquim Soeiro Pereira Gomes, Refugio Perdido, s.l., Textos Democráticos 1 s.d.

Joaquim Soeiro Pereira Gomes, Contos Vermelhos, s.l., s.d. (1971)

Soeiro Pereira Gomes, Contos Vermelhos, Lisboa, MJT, 1974

Soeiro Pereira Gomes, Esteiros, Lisboa, Edições Avante, 1975

Soeiro Pereira Gomes, Refúgio Perdido e Outros Contos, Lisboa, Edições “Avante!, 1975

Soeiro Pereira Gomes, Obra Completa, Lisboa, Caminho, 1992

Gerard Lacaze, “Joaquim Soeiro Pereira Gomes e o seu romance Engrenagem”, Boletim Cultural, 4, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, 1989-1990

Manuel Campos Lima, “A literatura da resisténcia e Joaquirn Soeiro Pereira Gomes’, Diário de Notícias, 12/5/1975

António Dias Lourenço, “Evocação de Soeiro Pereira Gomes”, em Refúgio Perdido e Outros Contos, Lisboa, Edições “Avante!, 1975

Dias Lourenço, “A personalidade política de Soeiro Pereira Gomes”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Museu do Neo-Realismo, 50 Anos a Ler Esteiros de Soeiro Pereira Gomes, 1941-1991, Município de Vila Franca de Xira, 1991

João Madeira, “Soeiro Pereira Gomes e o PCP nos «trilhos da clandestinidade» (1944-1949)”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Álvaro Pina, Soeiro Pereira Gomes e o Futuro do Realismo em Portugal, Lisboa, Caminho, 1977

Álvaro Pina,“Um Militante Leninista na Frente da Criação Artística”, Avante!, 27/12/1979

Giovanni Ricciardi, “Pedagogia e scrittura neo-realista in Soeiro Pereira Gomes”, Avanguardia e stabilizzazione della coscienza, Bari, Libreria Universitaria, 1988

Giovanni Ricciardi, “Itinerário de pesquisa para urn retrato de Joaquim Soeiro Pereira Gomes”, Encontro Neo-Realismo, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, 1999

Giovanni Ricciardi,” 5 de Dezembro de 1949: a morte de Soeiro”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Urbano Tavares Rodrigues, “0 real e o imaginário em Esteiros de Soeiro Pereira Gomes”, Um Novo Olhar sobre o Neo-Realismo, Lisboa, Moraes Editores, 1981

Urbano Tavares Rodrigues, “Soeiro Pereira Gomes ficcionista – poeta pioneiro do Neo-Realismo”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

José Rogeiro, Neo-Realistas de Vila Franca de Xira. Lugares da Memória, Lisboa, Roma Editora, 2006

Vitor Serpa, “Alhandra esperou 25 anos para dizer obrigado”, A Bola, 14/11/1974

Osvaldo Silvestre, “Gomes, Soeiro Pereira”, em Fernando Rosas e J.M. Brandão de Britoi (dir.), Dicionário de História do Estado Novo , Venda Nova, Bertrand Editora, 1996

Alberto Sismondini, “Os Contos Vermelhos: em demanda do herói exemplar”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

“Soeiro Pereira Gomes, vivo na obra e no exemplo”, Avante! ,27 Dezembro de 1979

“Soeiro Pereira Gomes: o homem, a obra, a vida”, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

Luis Trindade, “Soeiro Pereira Gomes e a Engrenagem”, Vértice, 76, Janeiro-Fevereiro de 1997

Vítor Viçoso “Engrenagem de Soeiro Pereira Gomes e o neo-realismo literário português nos anos 40″, Vértice, 93 – Jan/Fev 2000

_________________________________________________________________

BENTO GONÇALVES

Licinio Barradas, “Bento Gonçalves e o que escreveu”, Diánio Popular, 13/6/1977

Bento Gonçalves, Dirigente Proletário, Porto, Opinião. 1976.

[Dados biogrâficos e artigos da imprensa operária sobre Bento Gonçalves]

João Borda, Artigo sobre Bento Goncalves, Correio do Planalto, 19, 30/8/1975

J.M. Costa Feijão, “Bento Gonçalves e o reformismo”, O Militante, Ano 71, Série IV, 263, Março/Abril 2003

J.M. Costa Feijão, “Bento Gonçalves e as derivas sindicais” . O Militante, 267, Novembro-Dezembro 2003

Bento Gonçalves, Palavras Necessárias (Elementos para a História do Movimento Operário Português), 1969

Bento Gonçalves, Duas Palavras, PCP, 1971

Bento Gonçalves, Palavras Necessárias – A vida proletária em Portugal de 1872 a 1927, Porto, Virgínia Moura, 1973

Bento Gonçalves, Palavras Necessárias – A vida proletária em Portugal de 1872 a 1927, Porto, 1974

Bento Gonçalves, Escritos (1927 – 1930), Lisboa, Seara Nova, 1976

Bento Gonçalves, [ Introdução, recolha e bibliografia de Alberto Vilaça] , Inéditos e Testemunhos. Lisboa, Edições Avante!, 2003

Bento Gonçalves / Álvaro Cunhal / Sérgio Vilarigues, O PCP e o VII Congresso da Internacional Comunista, Lisboa, Edições Avante!, 1985

José Enes Gonçalves, (Org. e Coord.), Bento Gonçalves. Uma Vida. Um Combate, Montalegre, Câmara Municipal de Montalegre, 2000

Fernando Guerreiro, “Bento Gonçalves, o P.C.P. e a questão das alianças na luta anti-fascista dos anos 30 em Portugal”, Seara Nova, Março de 1975.

[Análise de posição do PCP e de Bento Gonçalves quanto â necessidade de uma política de alianças com os anarquistas e os republicanos.]

Abílio Alves Lima, Artigo sobre Bento Gonçalves, 0 Eco do Arsenal, 3º série, Dezembro de 1974

Lives Given to Freedom: Dedications to Communist Fighters, Moscovo, Nauka Publishing House- Department of Oriental literature, 1966

[Inclui biografia “heróica” de Bento Gonçalves.]

Francisco Miguel, Artigo sobre Bento GonçaIves, Correio do Planalto, n” 19. 30/8/1975

João Arsénio Nunes, Artigos “Bento Gonçalves”, em Maria Filomena Mónica / António Barreto (dir.), Dicionário de História de Portugal (Suplemento) , Livraria Figueirinhas, Porto, 1999/2000

João Arsénio Nunes, “Bento Gonçalves”, em Aldo Agosti, (dir.), Enciclopedia della Sinistra Europea nel XX Secolo , Roma, Editori Riuniti, 2000

José Pacheco Pereira, “As “”Duas Palavras”” de Bento Gonçalves”, Diário de Notícias, 8/1/1980

José Pacheco Pereira, “Bento Gonçalves revisitado”, Diário de Notícias, 11/12/79

Pedro Soares, “Bento Gonçalves, organizador do Partido”, Os Comunistas – Bento Gonçalves, Porto, A Opinião, 1976

[Antologia de e sobre B. Gonçalves, incluindo o artigo de Pedro Soares publicado clandestinamente no 50º aniversário do PCP.]

_________________________________________________________________

FIRMINIANO CANSADO GONÇALVES

Cansado Gonçalves, A Traição de Salazar , Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1974

Fernando Rosas, “Apontamentos duma entrevista com Firmiano Cansado Gonçalves (Maio de 1983)”, Estudos sobre o Comunismo, 0, Julho de 1983

_________________________________________________________________

ORLANDO GONÇALVES

Orlando César, Uma vida vigiada, Fevereiro de 2001

[Sobre Orlando Gonçalves.]

Orlando Gonçalves, Caxias : Ultimos Dias de Fascismo, Amadora, NA – Orion, 1977

_________________________________________________________________

POLICARPO MARCELINO GONÇALVES

Policarpo Marcelino Gonçalves, Alguns Apontamentos sobre as Recordações da Minha Vida, Pemes, 1997

[José Pacheco Pereira], “Policarpo Marcelino Gonçalves”, Estudos sobre o Comunismo

________________________________________________________________

JOSÉ DA SILVA GORDINHO

António M. Neves Policarpo, José da Silva Gordinho 1890-1948. Memorial de um Anarquista Almadense, Junta de Freguesia da Cova da Peidade, 2003.

_________________________________________________________________

ANTÓNIO GOUVEIA

António Gouveia, José Gouveia, Meu Irmâo


Quem É António Gouveia?

_________________________________________________________________

JOSÉ GOUVEIA

António Gouveia, José Gouveia, Meu Irmâo


José Augusto Gouveia Resenha Biográfica

Manuel Veiga / Eduardo Baptista, (Coord.), José Gouveia na alvorada do poder local, Loures, Câmara Municipal de Loures, 1999

_________________________________________________________________

ANTÓNIO GRAÇA

António Silva Graça, Viagem ao Fim da História, Porto, Asa, 1995

(João Tunes), “Em Memória do António Graça”, Bota Acima. Blogue de João Tunes,15/4/2004

_________________________________________________________________

FERNANDO LOPES GRAÇA

Carlos Santarém Andrade, “Fernando Lopes-Graça e Coimbra”, Vértice, 444-5, Set-Dez 1981

Mário Vieira de Carvalho, O Essencial sobre Fernando Lopes-Graça, Lisboa, INCM, 1988

Mário Vieira de Carvalho, Pensar a Música, Mudar o Mundo: Fernando Lopes-Graça, Porto, Campo das Letras, 2006

Teresa Cascudo, Fernando Lopes – Graça. Catálogo do Espólio Musical, Cascais, Câmara Municipal de Cascais, 1997

Teresa Cascudo, “Realismo e representação na obra de Fernando Lopes Graça, músico do neo-realismo português”, Encontro Neo-Realismo, CM Vila Franca de Xira, 1999

“O Centenário de Lopes-Graça”, Jornal de Letras, 6-19 de Dezembro de 2006

Filipe Diniz, “Fernando Lopes-Graça, um mestre e um exemplo”, O Militante, 285, Nov- . Dez. 2006

Luis Farinha, “Entrevista a Mário Vieira de Carvalho. Lopes Graça uma voz inconfundível da música”, História, 92, Dezembro 2006

Leonor Lains, “Fernando Lopes Graça”, Vidas Lusófonas

Pedro Santos Maia, “Fernando Lopes Graça: um Retrato do Artista Quando Jovem Intervencionista”, Vértice, 131, Nov. – Dez. 2006.

Antonino de Sousa, A Construção de uma Identidade. Tomar na vida e obra de Fernando Lopes-Graça, Lisboa, Cosmos, 2006.

Alexandre Branco Weffort (Organização), A Canção Popular em Fernando Lopes-Graça, Lisboa, Caminho, 2006

_________________________________________________________________

JÚLIO GRAÇA

Júlio Graça, Operários falam – O trabalho e a vida, Lisboa Iniciativas Editoriais 1973

Júlio Graça, Histórias da Prisão, Lisboa, Iniciativas Editoriais,1975

Júlio Graça Vida e Obra. Exposição Documental, Setembro 2003

Maria do Sameiro Pedro, Um Escritor Em Alhandra Apontamentos Sobre A Obra De Júlio Graça

_________________________________________________________________

MANUEL DA LUZ GRAÇA

Amércio Lázaro Leal, Manuel da Luz Graça – Tarrafalista Setubalense, URAP Núcleo de Setúbal, 2006.

_________________________________________________________________

RUI GRÁCIO

Rui Grácio, “Contestação estudantil: as propinas. 1. Crónicas dos anos quarenta”, O Jornal, 13-19/2/1987

Rui Grácio, “Contestação estudantil: o 40900”. 2. Crónicas dos anos cinquenta”, O Jornal, 20-26/2/1987

Rui Grácio, Obra Completa, , Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1995

“Rui Grácio: uma pedagogia da emancipação”, Instituto de Inovação Educacional

_______________________________________________________________

VASCO GRANJA

Jorge Magalhães / Maria José Pereira (Coord, ), Vasco Granja Uma VIda … 1000 Imagens, Porto, ASA, 2003

_________________________________________________________________

JAIME GRALHEIRO

________________________________________________________________

JOSÉ GREGÓRIO

“O 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande – jornada heróica do proletariado “, Avante! , 17 de Janeiro de 1975.

[Vários artigos com depoimentos de participantes e uma biografia de J. Gregório.]

José Gregório, Sobre a Associação e o Movimento do Operariado Vidreiro, Lisboa, 1975

[Reedição do texto de J. Gregório sobre as lutas dos vidreiros da Marinha Grande, com elementos imprescindiveis para o estudo do 18 de Janeiro.]

José Gregôrio, “0 trabalho de Imprensa e Propaganda em 1947”, Avante!, Suplemento, 4/6/1981

[Relatorio apresentado à reunião do CC.. Junho 1947.]

_________________________________________________________________

MATEUS DA SILVA GREGÓRIO

Mateus da Silva Gregório, Caderno dum resistente, Portimão, Edição do Autor, 1992

_________________________________________________________________

MANUEL GUEDES

Manuel Guedes. Tarefas de Organização, Edição da OCMLP, s.d.

Manuel Guedes, El Paseo. Memórias dum Preso Politico Portugues na Cadeia de Caceres Durante a Guerra Civil de Espanha, Lisboa, Edições Sociais, s.d.

Manuel Guedes, “Experiências da luta juvenil”, Juventude, 35, Novembro de 1978.

_________________________________________________________________

ÁLVARO GUERRA

Álvaro Guerra . Exposição Razões e Liberdade, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, 2004

Álvaro Guerra, Do General ao cabo mais ocidental, Lisboa, Edições Afrodite, 1976

Álvaro Guerra, Reflexões sobre a China ou as atribulações de um ocidental no Oriente, Lisboa, Perspectivas e Realidade, 1976

Álvaro Guerra, Café República. Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1914-1945), Lisboa, D.Quixote, 1997

Álvaro Guerra, Café Central. Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1945 – 1974), Lisboa, D.Quixote, 1998

Álvaro Guerra, Café 25 de Abril (As Ruínas). Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha, Lisboa, D.Quixote, 1998

Álvaro Guerra, Razões de Coração, Porto, Público, 2002

_________________________________________________________________

ANTÓNIO GUERRA

Hermínio de Freitas Nunes Alvorada de Esperança. Notas Biográficas. Apontamentos para a História do 18 de Janeiro de 1934, Marinha Grande, 1999

_________________________________________________________________

EMÍDIO GUERREIRO

António Melo, “Emídio Guerreiro.” (Entrevista), Público, 5/9/2004

Rui Perdigão, “As Relações do PCP com Dois Eminentes Anti-Fascistas: Emidio Guerreiro e Manuel Valadares”, Nova Renascença, 45-47, 1992

Testemunhas do Século Português – Emídio Guerreiro, 99 anos, sonhador da liberdade

A. Encarnação Viegas, Emídio Guerreiro. Uma vida pela Liberdade, Lisboa, Editorial Noticias, 1998

_________________________________________________________________

FRANCISCO GUERREIRO

Francisco Guerreiro, Um Aporte e Testemunho, Manuscrito, Buenos Aires, 1952

Francisco Guerreiro, Pequena Monografia de Pechão, Algarve em Foco Editora, Faro, 1988

(José Pacheco Pereira), Notas Biográficas – Francisco Guerreiro, Estudos sobre o Comunismo

_________________________________________________________________

VLADIMIRO GUINOT

Vladimiro Guinot, “Urn pai camarada em tempos difíceis”, Em Marcha, 180

_________________________________________________________________

FERNANDO GUSMÃO

Fernando Gusmão, A Fala da Memória, Lisboa, Escritor. 1993

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: