Archive for Maio, 2012

29 Maio, 2012

EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA DO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE JÁNOS KÁDÁR

FONTE: Open Society Archives (OSA)

 

Kádár 100 – In His Own Words

kadar1Historical exhibition on the 100th anniversary of the birth of János Kádás in Galeria Centralis, OSA Archivum.

János Kádár was born 100 years ago. As General Secretary of the Hungarian Socialist Workers’ Party, he dominated the period between the crushed revolution of 1956 and the fall of the communist regime. Kádár’s career was shaped by Hungary’s turbulent 20th century, with its lost wars and dictatorships. For many, Kádár is still a living memory – and a highly controversial historical personality. Surveys show that the majority of Hungarians consider Kádár either as a highly influential and popular political leader or as a dictator, the traitor and blood-stained suppressor of the 1956 revolution.

By objectively presenting Kádár’s life and career, the exhibition is intended to compare the nostalgic image that still remains in public memory with the real historical person, in order to dispel the “Kádár-myth” and offer the public a true picture of his character as a statesman and of the decades of his reign. Using well and less well known documents, sound and film recordings of Kádár’s speeches and talks, our intention is not only to invoke the figure created by contemporary official propaganda but also to present a close-up image of the politician in his own environment.

Director András Sólyom’s latest film montage of Kádár will be screened at the exhibition. Furthermore, several hours of voice and film documents will offer an insight into the details of his career, including Kádár’s speeches at the meetings of the Political Committee in the 1980s and excerpts from the address that he delivered to a select audience on the occasion of his 60th birthday in 1972. A separate section, built up of materials from the Institute for the History of the 1956 Hungarian Revolution and the Historical Interviews of the National Széchenyi Library, is devoted to opinions about Kádár expressed by his contemporaries. At the exhibition, visitors can also examine the most important documents of the post-1989 literature on Kádár.

The exhibition runs from May 31 to July 29 2012
in Galeria Centralis, Budapest, V. ker. Arany János u. 32.

Opening hours:
Tuesday to Sunday, 10 a.m to 6 p.m.
Entrance is free.

Partner institutions:

Hungarian National Museum
National Archives of Hungary
The Institute for the History of the 1956 Hungarian Revolution
Collection of Historial Interviews, National Széchenyi Library
Library and Archives of the Institute of Political History
Angyalföld Museum of Local History

Please, note the language of the exhibition is Hungarian.

Anúncios
29 Maio, 2012

CONFERÊNCIA: ENTRE MOSCOVO E A EUROPA – OS PARTIDOS COMUNISTAS DE 1945 AOS DIAS DE HOJE (BERLIM, 22 DE JUNHO DE 2012)

FONTE: H-SOZ-U-KULT

Conf: Zwischen Moskau und Europa. Die europäischen kommunistischen Parteien 1945 bis heute / Entre Moscou et l’Europe. Les partis communists européens de 1945 à aujourd’hui – Berlin 06/12
——————————

——————————————

Nikolas Dörr, Zentrum für Zeithistorische Forschung Potsdam; Aurélie Denoyer, Centre Marc Bloch; Maximilian Graf,/ Karlo Ruzicic-Kessler, Österreichische Akademie der Wissenschaften; mit Unterstützung der Deutsch-Französischen Hochschule-Université franco-allemande 22.06.2012, Berlin, Centre Marc Bloch, Friedrichstrasse 191, 10117 Berlin
Deadline: 15.06.2012

Die Erforschung der Beziehungen zwischen den kommunistischen Parteien Europas in der zweiten Hälfte des 20. Jahrhunderts hat in den letzten Jahren einen veritablen Aufschwung genommen. Während die Beziehungen zwischen den Staatsparteien des sozialistischen Lagers im Kalten Krieg seit jeher beachtliches Interesse gefunden haben, rückt der Austausch zwischen west- und osteuropäischen KPs allerdings erst in jüngster Zeit zunehmend in den Fokus der Zeitgeschichtsforschung. Insbesondere zu den Kontakten in den 1970er und 1980er Jahren liegen kaum Forschungsarbeiten vor. Aber gerade dieser Zeitraum zeichnet sich durch markante Brüche zwischen west- und osteuropäischem Kommunismus auf der einen und massiven Differenzen innerhalb des westeuropäischen Kommunismus auf der anderen Seite aus, die Aufschluss über die Erosion und/oder Transformationen des europäischen Kommunismus in den 1990er Jahren geben.

Von einem monolithischen Block der kommunistischen Parteien Europas, den man in der direkten Nachkriegsphase mit der Gründung des Kominform 1947 und der uneingeschränkten Führungsposition der Kommunistischen Partei der Sowjetunion noch konstatieren konnte, war spätestens seit der Niederschlagung des “Prager Frühlings” 1968 keine Rede mehr. Die Folge waren verschiedene Wege europäischer kommunistischer Parteien, die sich vom “real existierenden Sozialismus” in Mittelost- und Osteuropa über den jugoslawischen “Selbstverwaltungssozialismus” hin zu den eurokommunistischen Ansätzen des Partito Comunista Italiano (PCI) und Partido Comunista de España (PCE) erstreckten.

Ein großes Desiderat der Forschung stellen weiterhin die Europaeinstellungen jener kommunistischen Parteien dar. Welche Vorstellungen und welche Bilder von Europa herrschten in ihnen vor? Seit den 1970er Jahren wurde die europäische Integration vor allem für die Kommunisten in Westeuropa zu einer enormen Herausforderung. Im Hinblick auf die ersten Direktwahlen zum Europäischen Parlament und der Einführung des Europäischen Währungssystems im Jahre 1979 nahmen Parteien wie der PCI eine proeuropäische Haltung ein, während beispielsweise die französischen und westdeutschen Kommunisten ihre ablehnende Position aufrechterhielten. So lassen sich an den Europavorstellungen der kommunistischen Parteien seit den 1970er Jahren Grundmuster feststellen, die sich bis in die Gegenwart erhalten haben:
Beispielsweise gilt der Partito Democratico als größte Nachfolgepartei des PCI als dezidiert pro-europäisch, während die französischen Kommunisten mit ihrer Negativkampagne im Jahre 2005 maßgeblich zum Scheitern des Referendums über eine EU-Verfassung beitrugen.

In dem Workshop “Zwischen Moskau und Europa – Die europäischen kommunistischen Parteien 1945 bis heute/Entre Moscou et l’Europe – Les partis communistes européens de 1945 à aujourd’hui” werden internationale Expertinnen und Experten in drei Panels diesen Themen nachgehen. Die Tagung wird vom Centre Marc Bloch, der Österreichischen Akademie der Wissenschaften und dem Zentrum für Zeithistorische Forschung Potsdam mit der Unterstützung der Deutsch-Französischen Hochschule veranstaltet und richtet sich vornehmlich an Doktoranden, Post-Docs und Wissenschaftler/innen aus den genannten Forschungsfeldern.
Die Tagungssprachen sind Deutsch, Englisch und Französisch.

Interessenten werden gebeten, sich bis zum 15. Juni 2012 per E-Mail an doerr@zzf-pdm.de für die Teilnahme am Workshop anzumelden.
Teilnahmegebühren werden nicht erhoben.

26 Maio, 2012

DEBATE SOBRE A POLÉMICA DO NEO-REALISMO

FONTE: CASA DA ACHADA

Segunda 28 Maio

CICLO A PALETA E O MUNDO III

Segunda-feira,  28 de Maio, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Nesta sessão começamos a leitura comentada, por Marta Raposo e Susana Baeta, de textos da polémica do neo-realismo, em particular dos artigos publicados por João José Cochofel e António José Saraiva na revista Vértice em 1952.

Numa nota de Mário Dionísio na sua Autobiografia (1987) está enumerada uma lista de textos sobre esta polémica:

«Entretanto, ao leitor interessado na vulgarmente cha­mada “polémica interna do neo-realismo”, será indispensável conhecer estes dois grupos de textos, todos eles publicados na revista Vértice, de Coimbra:
I. polémica António José Saraiva – João José Cochofel: Cochofel, «Notas soltas acerca da arte, dos artistas e do público» (Vol. XII, N.° 107, Julho de 52, pp. 343-349); Saraiva, «Problema mal posto» (Vol. XII, N.° 109, Setembro de 52, pp. 495-499); Cochofel, «Problema falseado» (Vol. XII, N.° 109, Setembro de 52, pp. 500-504); Saraiva, «Comentários — A propósito dum lugar comum» (Vol. XIV, N.° 128, Maio de 54, pp.286-288); Cochofel, «Uma carta» (Vol. XIV, N.° 130, Julho de 54, pp. 421-422); «Uma carta do nosso co­laborador António José Saraiva» (Vol. XIV, N.° 133, Outubro de 54, p. 569); Redacção, «Encerramento duma polémica» (Vol. XIV, N.° 135, Dezembro de 54, pp. 726-727). II. Mário Dionísio, «O Sonho e as Mãos» (Vol. XIV, N.° 124, Janeiro de 54, pp. 33-37 e N.° 125, Fevereiro de 54, pp. 93-101); António Vale (aliás Álvaro Cunhal), «Cinco no­tas sobre forma e conteúdo» (Vol. XIV, N.° 131-132, Agosto-Setembro de 54, pp. 466-484); «Uma carta do nosso colabo­rador Mário Dionísio» (Vol. XIV, N.° 133, Outubro de 54, pp. 566-568); «Uma carta do nosso colaborador Fernando Lopes Graça» (Vol. XIV, N.° 134, Novembro de 54, pp. 645-646).»

21 Maio, 2012

HOMENAGEM A ORLANDO COSTA (1929-2006)

FONTE: Casa Fernando Pessoa

Homenagem a Orlando da Costa (1929-2006)

Com a participação de Mário de Carvalho, Maria Barroso, Urbano Tavares Rodrigues e moderação de Everton Machado.

Será lido um testemunho escrito de José Manuel Mendes.

Integrado no Colóquio Internacional ACT 27

Goa Portuguesa e Pós Colonial:

Literatura, Cultura e Sociedade

(uma organização da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)

24 de Maio 18h30 Casa Fernando Pessoa


21 Maio, 2012

SEMINÁRIO: DE QUE É NOME O COMUNISMO? (LISBOA, 24-25 DE MAIO DE 2012)

FONTE:UNIPOP

 

Local: «Seu Vicente» Residências Artísticas (Rua da Boavista, n.º 46 – 1.º, Lisboa – http://seuvicenteresidencias.wordpress.com, localização aqui)

Datas: Dias 24 de Maio (18h30 às 20h30) e 25 de Maio (18h30 às 20h e 21h30 às 23h)
Organização: UNIPOP
Coordenação: Bruno Peixe Dias e José Neves
Apoio: «Seu Vicente» Residências Artísticas, c.e.m (centro em movimento), Câmara Municipal de Lisboa
A frequência do seminário é livre, mas pede-se aos interessados que efectuem uma inscrição prévia, enviando um e-mail com o nome para cursopcc@gmail.com.
Lugares limitados.
No final do seminário será emitido um certificado de frequência.
O comunismo, enquanto nome, ideia e projecto político, conhece, de há uns anos a esta parte, um novo fôlego, não só enquanto categoria teórica, nos trabalhos de filósofos como Alain Badiou, Michael Hardt e Antonio Negri, Slavoj Zizek, Gianni Vatimo, Jodi Dean ou Bruno Bosteels, mas também na própria prática política: a dos partidos e organizações que há muito se reclamam desse nome, mas também a de movimentos e agentes colectivos associados aos mais recentes ciclos de luta contra o capitalismo.
Trata-se, no caso destes movimentos e lutas, menos de pensar o comunismo como programa a realizar, mas antes de o conceber como processo de construção de novas formas do viver colectivo, necessariamente precárias, no aqui e no agora. Estas novas agências e movimentos assentam, na sua maioria, numa exigência de reapropriação colectiva do comum, numa palavra, de comunização, recusando, ao mesmo tempo, a lógica representacional e hierárquica que subjazeu à acção de partidos e organizações de classe ao longo do século XX.
Propomo-nos, nas três sessões deste workshop, discutir o comunismo como nome que designa a essência da política e, ao mesmo tempo, como designação com potencial para fazer sentido dos mais recentes ciclos de luta contra o capitalismo e pela igualdade.
Propomos, nesse sentido, alguns textos para discussão nas sessões:
Bruno Peixe Dias é investigador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e da Númena – Centro de Investigação em Ciências Sociais e Humanas. Elaborou uma tese de mestrado sobre Alain Badiou e coordenou, com José Neves, a edição do livro A Política dos Muitos. Povo, Classes e Multidão (2010), publicado pelas Edições Tinta-da-China.
José Neves é professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e é investigador do Instituto de História Contemporânea da mesma faculdade. Tem trabalhado sobre comunismo, nacionalismo, historiografia e desporto.
9 Maio, 2012

ARTUR COIMBRA – APRESENTAÇÃO DA 3ª EDIÇÃO DE “DESAFECTOS AO ESTADO NOVO – EPISÓDIOS DA RESISTÊNCIA AO FASCISMO EM FAFE”

FONTE: Sala de Visitas do Minho

Desafectos ao Estado Novo (3ª edição) – Apresentado esta sexta-feira na Biblioteca Municipal de Faf

 
A minha obra Desafectos ao Estado Novo – Episódios da Resistência ao Fascismo em Fafe, na sua 3ª edição, revista e aumentada, vai ser apresentada ao público esta sexta-feira, 11 de Maio, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Fafe.
Inicialmente publicada em 2003, por iniciativa da Junta de Freguesia de Fafe e com segunda edição no ano imediato, a obra Desafectos ao Estado Novo – Episódios da Resistência ao Fascismo em Fafe inclui nesta edição alguns acrescentos a nível de texto e de imagem, que a enriquecem relativamente às anteriores.
Para o autor, não deixa de constituir uma enorme alegria, porquanto é o seu primeiro livro a atingir este patamar, fruto certamente da procura e da divulgação e expansão que tem tido ao longo dos últimos anos, não apenas em Fafe, mas um pouco pelo país, para onde foi sendo enviada pela autarquia. Honra-me de sobremaneira ter este livro referenciado na bibliografia de obras de ilustres investigadores do Portugal do século XX, como José Pacheco Pereira e Irene Flunser Pimentel (Prémio Pessoa 2007 e autora de obras fundamentais sobre o Estado Novo, de que é paradigma a gigantesca A História da PIDE, desse mesmo ano).
O objectivo fundamental da obra é relatar alguns episódios do que foi a resistência ao fascismo em Fafe, entre 1926 e 1974, em função das fontes documentais e dos testemunhos orais que foi possível reunir, num encontro promovido pelo autor com dezenas de antifascistas há duas décadas.
Com a devida contextualização como base no ambiente que se vivia a nível nacional e que foi recolhido na consulta de obras de referência historiográfica, foram passados em revista, cronologicamente e com a maior objectividade possível, o que foram esses anos, a partir das primeiras manifestações da resistência à Ditadura Militar, em Fevereiro de 1927, em que participaram militares fafenses, como o Major Miguel Ferreira, António Saldanha e o Tenente José Campos de Carvalho, até às últimas eleições do regime fascista, realizadas em 1969, sob a vigência de Marcelo Caetano.
Nos anos 30, destacam-se as primeiras levas de presos políticos em Fafe, sobretudo a partir de 1936, avultando ainda o combate político do jornalista José Manuel Teixeira e Castro para prosseguir o seu trabalho contra a censura e em defesa dos seus jornais.
Já na década seguinte, aborda-se a problemática do MUDJuvenil em Fafe, fala-se da famosa luta pelo pão, do encerramento político do Externato de Fafe na Rua Montenegro (1948), após duas décadas de funcionamento e das manifestações de apoio à candidatura do General Norton de Matos à presidência da República (1949). Lugar ainda para a evocação de uma experiência deveras interessante que foi a de uma biblioteca clandestina e de uma cooperativa de pedreiros nos finais dos anos 40.
Nos anos 50, avulta o assassínio pela PIDE do fafense Joaquim Lemos Oliveira, “Repas”, a vítima maior do regime deposto em 25 de Abril. Fala-se ainda da grande homenagem distrital ao Major Miguel Ferreira, das eleições presidenciais de 1958, em que participou o General Humberto Delgado e, finalmente, do documento cujo primeiro subscritor era o Major Miguel Ferreira e que afrontava directamente Salazar, desafiando-o o demitir-se.
Nos anos 60/70, já no declínio do regime, avultam a guerra colonial, a emigração e as eleições de 1969.
Esta obra tem ainda lugar para a evocação do lápis azul da censura e os seus reflexos no jornal local O Desforço, bem como para a recordação de diversos rostos que foram tecendo a longa e corajosa teia da resistência ao fascismo em Fafe.
Uma palavra ainda para os míticos espaços onde a oposição mais se exerceu, como a Fábrica do Ferro, o Café Avenida, o Teatro-Cinema e a casa do Major Miguel Ferreira, em Antime.
Finalmente, alguns textos sobre a resistência e a emergência do 25 de Abril, no país, como em Fafe.
A obra inclui ainda testemunhos, depoimentos e artigos do Professor Emídio Guerreiro, Francisco Oliveira Alves, António Teixeira e Castro, Parcídio Summavielle, Domingos Gonçalves, Paula Nogueira e João Baptista Alves da Mota.
A obra é desde o início a homenagem do autor, como assumido “filho de Abril”, àqueles fafenses de outrora que sacrificaram as suas vidas, os seus bens, a sua família, os seus trabalhos, a sua liberdade, ao serviço do bem comum, de um país melhor e mais respirável e que culminaria, luminosamente, no dia 25 de Abril de 1974, com a restauração da liberdade e da democracia em Portugal!                                              
                                

Publicada por em Terça-feira, Maio 08, 2012

9 Maio, 2012

SOBRE A REVISTA E AS EDIÇÕES RUEDO IBERICO

FONTE: IISG

Assault on Ruedo Ibérico

On the occasion of World Press Freedom Day (3 May) the IISH highlights one of its collections in relation to press freedom.

‘Una formidable arma de contrainformación….’ Publisher Ruedo Ibérico’s role in the struggle against Franco’s censorship

In the night of 13 to 14 October 1975 a firebomb exploded on the rue de Latran in Paris. The target of the bombing was the bookshop and Spanish exile publisher Ruedo Ibérico. Although the bomb did  not cause any casualties, it damaged the building, as well as thirty cars parked along the street. While back in Madrid Franco prolonged his fight against death, obscure right-wing factions with ties to the Spanish police and intelligence services demonstrated that freedom of expression remained a target of assaults.

The publishing company Ruedo Ibérico was largely created by one individual: José Martínez Guerricabeitia. José Martínez, called ‘Pepe’ by his friends, was an exceptional man who had a major role in Spanish anti-Francoist cultural and political circles.

Continue reading on:

This contribution was made by Huub Sanders on the occasion of 3 May World Press Freedom Day. Read all previous contributions on World Press Freedom Day (2011-2003).

9 Maio, 2012

NOVO LIVRO SOBRE A TRANSIÇÃO ESPANHOLA: EL PCE Y EL PSOE EN LA TRANSICIÓN. LA EVOLUCIÓN IDEOLÓGICA DE LA IZQUIERDA DURANTE EL PROCESO DE CAMBIO POLÍTICO, Madrid, Ed. Siglo XXI, 2012.

9 Maio, 2012

ANSELM JAPPE EM PORTUGAL

COMUNICADO À IMPRENSA

Comunicado à Imprensa

A Antígona informa que o ensaísta Anselm Jappe, autor de As Aventuras da Mercadoria (2006) e de Guy Debord (2008), estará em Lisboa no próximo dia 11 de Maio, por ocasião do lançamento do seu mais recente livro, Sobre a Balsa da Medusa – Ensaios Acerca da Decomposição do Capitalismo, na Livraria Ler Devagar.
Entre as 15:00 e as 18:00, o autor estará disponível para entrevistas e para conversar com os jornalistas na sede da editora Antígona, na Rua Gustavo de Matos Sequeira, n.º 39, 1.º, Lisboa, tel: 965086505.

Lisboa, 8 de Maio de 2012